quinta-feira, 23 de julho de 2009

A África clama pelo Evangelho-Parte 2



Ás vezes imaginamos o continente africano como um imenso país; mas a realidade cruel, é que até mesmo dentro de cada um de seus países existem muitas rivalidades tribais. Por conta disso o número de mortos por guerras civis não parou de crescer.
Ao longo dos anos criaram-se vários estereótipos africanos. Um deles que muitos crentes aceitam, é a de que a África exporta suas “potestades” e a feitiçaria para o mundo. Uma análise da história comprovará que estas “potestades”, vieram da Grécia, Egito e primeiramente da Babilônia.
Outra estória muito difundida no meio evangélico, porém sem nenhuma base bíblica é a de que os africanos seriam descendência de Caim e por isso estão amaldiçoados; se for assim os brasileiros também estão, pois a maioria da nossa nação descende de africanos. Quem está amaldiçoado não consegue realizar nenhum progresso na vida. Não é o que vemos a nossa volta!Outro ponto discutível é que se ainda existe algum descendente de Caim, este teria que estar na arca com Noé, pois somente aquela família escapou do dilúvio. E na Bíblia é dito que Noé era um homem temente a Deus (Gênesis 6:9). Posteriormente um neto de Noé, constrói juntamente com outros de coração pervertido a Torre de Babel, demonstrando que o pecado havia contaminado toda a humanidade,pecado de Adão e Eva, Caim foi conseqüência.O ser humano poderia fazer a escolha de seguir os preceitos de Deus,ou não.
A crença nestas idéias condena os africanos ao inferno, sem direito de salvação! Porque se estão amaldiçoados definitivamente, nada mais resta a ser feito por eles!
A fome e a miséria e as enfermidades seriam conseqüência da idolatria, podem até ser, mas por acaso os outros países são menos idólatras?Idolatra-se tudo nesse mundo, cantores, atores, jogadores de futebol. No meio evangélico infelizmente copia-se muito o que é secular, existe até fã clube de cantores e grupos evangélicos e só falta criarem um para pastores.
Em relação à África com certeza o episódio mais triste da história foi o da escravidão, os próprios negros vendiam seus irmãos. E pessoas brancas as compravam. Se é difícil entender o preconceito racial entre negros e brancos, pior ainda tentar entender em um lugar onde todos parecem absolutamente iguais!
Ruanda é um país que fica no coração da África. Durante cem dias em 1994, uma milícia de origem étnica hutu massacrou pessoas de origem étnica tutsi e hutus moderados. A contagem oficial chegou a 1 milhão , mas há quem diga que ultrapassou os 4 milhões de mortos! Repórteres de várias nacionalidades,quando conseguiram chegar à capital Kigali, narraram que a quantidade de cadáveres e o mal cheiro eram impressionantes!Um hutu em entrevista á BBC disse: ”Estávamos possuídos por Satã”. Até um filme (Hotel Ruanda) foi feito lembrando o episódio que ficou conhecido como “genocídio em Ruanda”. Este ano aconteceram eventos lembrando os 15 anos do massacre, ainda hoje hutus e tutsis não fizeram as pazes. Em Kigali, existe um memorial onde dezenas de crânios humanos estão em exposição, todos de vítimas do massacre.
Já na África do Sul a violência contra imigrantes estrangeiros se espalhou de forma alarmante!Teme-se que a violência tenha conseqüências a longo prazo. O chefe do setor de turismo na África do Sul, Moeketski Mosola, disse à BBC que o governo está alarmado com a situação, especialmente quando o país se prepara para sediar a Copa do Mundo de 2010. Uma zimbabuano disse à BBC que decidiu deixar Johanesburgo depois de testemunhar uma série de ataques xenófobos.
Uma mulher, de 36 anos, disse ter visto um grupo armado jogar gasolina em um imigrante moçambicano e atirá-lo em seu barraco, em chamas.

"Os gritos do moçambicano queimando ainda me assombram. Quando fecho meus olhos e tento dormir, vejo o homem gritando por ajuda. Mas ninguém o ajudou", disse a mulher. "Eu nunca vi tanta barbárie."
Segundo relatório da ONG COAV (COAV é a sigla em inglês para ‘Crianças e jovens em Violência Armada Organizada), termo que identifica crianças e jovens empregados ou participando de grupos organizados que praticam violência armada fora das situações tradicionalmente reconhecidas como guerras e conflitos, mas com elementos de estrutura de comando e exercendo alguma forma de poder sobre território, população local ou recursos.). As gangues de rua fazem parte da rotina das grandes cidades na África do Sul desde os anos 50. Com as taxas mais altas de homicídio no país, Manemberg concentra centenas de jovens envolvidos em violência armada, a maioria adolescentes desempregados e sem perspectivas. A cidade é também foco deste estudo que traça um perfil sobre as gangues de maioria negra que atuam em todo o país. Algumas controlam as mesmas áreas há décadas. Fim do apartheid, mas não da pobreza.
Dados sobre a África:
A África é o segundo continente mais populoso do mundo (fica atrás somente da Ásia). Possui, aproximadamente, 800 milhões de habitantes.
Mais de mil línguas são faladas na África.
É um continente basicamente agrário, pois cerca de 63% da população habitam o meio rural, enquanto somente 37 % moram em cidades.
Os principais problemas africanos são: fome, epidemias (a AIDS é a principal) e os conflitos étnicos armados (alguns países vivem em processo de guerra civil).
Os índices sociais africanos também não são bons. O analfabetismo, por exemplo, é de aproximadamente 40%.
Com certeza a única maneira de reverter esta situação de ódio e rancor é alcançando a África com o poder da Palavra de Deus. É impressionante o relato de muitos missionários que passam extrema dificuldade em se fixar por lá, é uma terra selvagem, com poucos recursos. Me recordo de uma passagem do livro:”Para que todos sejam santos”, onde o autor abordava a questão da entrega que precisamos fazer sem reservas a Deus,pois ele não pode usar quem não confie nele totalmente. Narrava a história de uma missionária que recém formada sonhava em ir para o campo missionário, mas que em oração impôs a sua condição: ”Me envie para qualquer lugar Senhor, que eu vou. Para qualquer lugar menos para a África!” Ela não estava disposta a confiar totalmente em Deus, e por isso Ele não pode usá-la, acabou não indo nem para a África e nem para lugar nenhum.
Duas missionárias brasileiras: Mirian e Margarida Horvath, estavam servindo a Deus em Angola, bem no meio da guerra civil, elas tinham dinheiro e cartões de crédito, mas não havia comida para se comprar, e ainda acabaram sendo seqüestradas por guerrilheiros,por pouco não morreram,evangelizaram seus seqüestradores e depois foram libertadas, deixando para trás a semente da Palavra de Deus, o episódio elas contaram em um livro: ”Seqüestro em Angola”. Isto já faz tempo, hoje Angola, ainda se recupera do estrago que muitos anos de guerra civil fizeram à aquele país de língua portuguesa.
As religiões mais presentes no continente são: muçulmana (cerca de 40%) e católica romana (15%). Existem também seguidores de diversos cultos africanos.

Países que fazem parte do continente africano: Angola, Botswana, Comores, Lesoto, Madagáscar, Malawi, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Zâmbia, Zimbábue, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Chade, Congo, Benin, Burkina Faso, Cabo Verde, Camarões, Costa do Marfim, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Libéria, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa, São Tomé e Príncipe, Togo, Argélia, Egito, Líbia, Marrocos, Saara Ocidental, Sudão, Tunísia, Burundi, Djibuti, Eritreia, Etiópia, Quénia, Ruanda, Seychelles, Somália, Tanzânia, e Uganda.
Os países de língua portuguesa são: Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissal, Guiné-Equatorial, São Tomé e Príncipe.

2 comentários:

Georges disse...

Olá Célia! Primeiramente, obrigado pelo selo! É muito bom ser lembrado pelos amigos! Segundamente (rs), muito bom este artigo sobre a África. Acaba com falsas idéias que até mesmo nós cristãos alimentamos inconscientemente. Como podem ser descendetes de Caim se somente Noé e sua família sobreviveram? E Noé descendia de Sete! Falta de conhecimento da Palavra é dose, hein? E esses dados sociais são realmente alarmantes. Para nós que não temos como ir até lá, fica a urgência da intercessão, pelos que foram enviados àquele continente obre-irmão e ao povo de lá, para que sejam removidos os empecilhos satânicos que se opõem a Deus e à Sua Palavra. Que o Senhor levante mais obreiros para a seara. Bem lembrado também é que a Copa é uma oportunidade ímpar para os brasileiros crentes, pois somos muito queridos pelos africanos (ao contrário de americanos e europeus).

marcia Branco disse...

Graça e Paz!
Irmã Célia achei tuas colocações equilibradas!
Estive na Guiné-Bissau, costa Oeste Africana, e um dos últimos países onde ainda se tem a liberdade de pregar o evangelho, e embora estando dentro da janela 10/40 com um pouco mais de visão e esforço, com a bênção de Deus será possível tirá-lo em 2 a 3 ano de dentro da janela, transformando-o numa plataforma missionária.
Estou retornando para lá em agosto deste ano onde estaremos trabalhando com mulheres vitimadas pela mutilação genital feminina, treinando mulheres para a liderança e apoiando e treiando líderes e suas famílias. Gostaria de publicar tua matéria em meu blog e coloco a disosição os vídeos que estão no meu e no youtube para que possas publicá-los se achares interessante para a série da áfrica
meu blog é
www.dorcasepricilas.blogspot.com
deus continue te abençoando em tudo...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Motivo de oração